Feed(Back & Forward)

@Fidelidade

LEARNING EXPERIENCES – CASO

Porque as (grandes) mudanças não se fazem num dia.

O Feedback: de bicho papão a conversas à vontade (não "à vontadinha")

A Rita, do Departamento de Pessoas e Organização, ligou-nos em Agosto. A Fidelidade queria a nossa ajuda para criar uma verdadeira Cultura de Feedback & Feedforward.

Queriam ir além de um programa de formação que estava a realizar-se. Tinham feito um investimento importante em formação para os líderes e respectivas equipas, para lhes dar competências em como dar e receber feedback. Perceberam também que só a formação não seria suficiente; seria necessário um apoio mais prático e mais próximo para se criarem novos hábitos de feed(back & forward).

Pediram-nos para desenhar uma espécie de linha de “helpdesk”, disponível a partir de qualquer parte do país e para quem quisesse usufruir.

Nós concordamos. Aliás, na nossa perspectiva, a cultura não se estabelece por decreto, implica aprendizagem contínua, individual e colectiva.

“Cultura é aquilo em que as pessoas acreditam e a forma como fazem o que fazem”, dizemos nós.

Quem tem medo do feedback?

Mesmo já com um pé nas férias, pensámos que seria bom poder estar com estas pessoas, sempre que elas precisassem de conversar com as suas equipas, sobre este “bicho papão” que é o feedback. As competências para oferecer e receber feedback, traduzem-se, na nossa opinião, num conjunto de capacidades que permitem dialogar e comunicar, conversar, portanto, de forma clara, aberta e construtiva.

Para conversar sobre isso e ajudar a afastar essa ideia de “bicho”, disponibilizámos uma agenda de sessões de aconselhamento, com carácter voluntário e individual, distribuídas por 2 meses, onde se conversou sobre a forma como cada líder poderia conversar com as suas equipas, focando no desenvolvimento e na descoberta conjunta de perspectivas de futuro.

6
Conselheiros Way Beyond
160
Sessões presenciais (de Norte a Sul do país)
112
Sessões à distância

Através de um misto de sessões presenciais e “virtuais”, garantimos que todos teriam acompanhamento, independentemente da geografia. A gestão foi complexa mas teria sido ainda mais se as tecnologias não estivessem tão avançadas. Tudo decorreu de forma rápida e eficaz e com total comprometimento dos líderes para as sessões com os conselheiros.

As dúvidas foram muitas, sobre casos particulares, casos ‘difíceis’ em que parecia não ser possível aplicar uma ‘fórmula de feedback’.

O bicho papão encontra um unicórnio

“Ah! Também posso fazer perguntas?”, “E escutar?”, “Então e depois?” Depois são apenas conversas. Conversas entre duas pessoas que se dedicam a analisar o que passou (feedback) e se comprometem a criar um futuro em conjunto (feedforward). Os apontamentos, agradecimentos e pedidos para voltar foram muitos.

E era isso que queríamos ouvir, nós e a Fidelidade:

A iniciativa foi bastante valorizada na Fidelidadade pela sua vertente prática de aconselhamento a líderes e a gestores de equipa, numa altura crítica da jornada das nossas Pessoas na Fidelidade. Após o deployment de um novo processo ligado ao desenvolvimento de competências, que exige o crescimento acelerado da cultura de feedback e de feedforward, ainda temos imensa necessidade de um acompanhamento próximo no terreno, que possibilite uma aprendizagem mais estruturada, através de experiências com significado para quem lidera. Muito importante também é injetar novas visões sobre as situações e os sobre problemas que muitos dos que fizeram a sua trajetória na Fidelidade, continuam a ter que resolver.

Rita ResendesHead of People Development

“A sessão de aconselhamento com a Way Beyond permitiu debater e estruturar as mensagens a transmitir nos momentos de feedbak individual. Foi muito útil!”

Marco RodriguesLíder

“Adorei a minha sessão, e a minha conselheira, pois de uma forma subtil conduziu e orientou-me, para que eu própria, pudesse descobrir as respostas às questões inicialmente apresentadas na sessão.
Aproveitem a oportunidade!!”

Inês RatoLíder

“As mudanças ao modelo de análise de competências, feitas previamente às sessões, enfatizaram os comportamentos que se esperam das nossas Pessoas, mas para os nossos líderes esse é um grande desafio – como dar feedback e contribuir para o crescimento da equipa? A Way Beyond apoiou-nos numa solução que tem por objetivo ajudar estas pessoas a encontrar a melhor resposta.
Os que participaram adoraram, compreenderam como entrar na cultura do feedback e feedforward de forma a conduzir melhor os elementos da sua equipa.
A alteração dos comportamentos não foi imediata mas a semente deixada germinou e já deu frutos junto de alguns.
É certo que o feedback contínuo ainda não é uma prática comum, na Fidelidade, mas estamos no bom caminho, e com estas sessões da Way Beyond, demos passos mais largos para conseguir esse objetivo. Obrigada.”

Patricia CorreiaDirecção de Pessoas e Organização

“Encarei a sessão de aconselhamento com a Way Beyond como uma oportunidade importante para mitigar alguns dos meus receios na abordagem a seguir nas reuniões com os colaboradores, em particular nos assuntos de maior sensibilidade e potencial discordância. Em suma queria evitar que este momento tivesse como consequência a reversão do bom trabalho já desenvolvido junto dos colaboradores. A minha interlocutora (...) de uma forma muito eficaz conseguiu rapidamente identificar o meu perfil de responsável/avaliador, verbalizando os meus pontos fortes, validando os aspectos positivos e nomeando com frontalidade os caminhos a seguir e a não seguir. O detalhe da apreciação foi minucioso e certeiro e com ele adquiri ferramentas de grande mais valia para o meu dia-a-dia que apliquei de imediato e com bastante sucesso.
(...) queria referir que esta abordagem com tema/assunto delimitado e direcionado às necessidades reais do receptor, tem uma vantagem acrescida às formações gerais mais extensas que têm de incluir todas as situações e são por conseguinte menos eficazes.”

José MendesLíder

O que tenho a dizer sobre o projecto da Fidelidade, é que foi, genuinamente, um projecto de que me orgulho de ter feito parte. E deu-me muito gozo porque é gratificante perceber que existem empresas que têm consciência de que é nas pequenas conversas entre líderes e suas equipas que a mudança começa por acontecer, que é da resolução de pequenos problemas que se fazem grandes feitos, que equipas unidas e alinhadas produzem mais e melhor! Que a liderança não é um mito mas uma realidade à qual se tem que dar atenção, aliás, uma prioridade.
Foi gratificate sentir a adesão que existiu por parte dos colaboradores da Fidelidade e a forma sincera com que partilharam as suas reais dificuldades, quer em motivar colaboradores difíceis, quer em ter converas "duras", ou simplesmente em comunicar de forma assertiva. Foram semanas de conversas francas, e sobretudo ricas e muito ajustadas ao nosso interlocutor. Fizemos role-plays de liderança com situações reais, partilhámos exemplos e às vezes somente boas práticas. Foi bom perceber que não foram conversas vazias e que o tempo passava invariavelmente depressa demais. Foi igualmente bom sentir a abertura dos colaboradores e a sua vontade de fazer melhor. Que este projecto tenha sido uma semente para que todas as conversas de feedback sejam sempre encaradas como uma valiosa ferramenta de desenvolvimento profissional e até pessoal!

Filipa FrançaConselheira Way Beyond

Conversa puxa conversa

E esta vontade de fazer melhor, de criar as condições para que a cultura de feed(back & forward) se construa e estabeleça é o verdadeiro comprometimento da Fidelidade e das suas pessoas para o futuro.

E o futuro continuará a fazer-se, de conversa em conversa.

Quer saber mais?

Contacte a Ângela Marçal via e-mail.